Ingenuidade

Algo interessante no processo de escrita é que a gente sempre é outro em relação ao escritor do passado. Revisando O Evangelho de São Pecador, deparo-me com trechos crus, ingênuos, e eles sempre me encantam. Penso que é uma obra que precisava mesmo de um autor sem grande cabedal teórico, grandiloquente, idealista. Eis um que faz rir e ao mesmo tempo me agrada muito:

― Para, ou terás o mesmo destino de teu companheiro.

― Por favor, não matem um homem desarmado. Peçam a seu colega que baixe e gládio.

O invasor referia-se a Tiago, que se erguera com o gládio em punho.

― Cão maldito. Tu nos matarias durante o sono, e ainda pedes nossa misericórdia? Já devíamos ter-te exterminado, assassino.

Neste momento Tiago começou a ver o mundo girar à sua volta, e a náusea fê-lo largar o gládio e escorar-se à parede. Quando seus companheiros aproximaram-se para auxiliá-lo, começou a vomitar violentamente.

― Por Assu e Baal[1], vós emporcalhareis a minha estalagem por mais de um ano. Primeiro, poças de sangue, agora vômito. Vós limpareis isso, maldição.

― Cala a boca e trata de remover o cadáver para queimá-lo, disse Marco.

― Não. Não podemos queimá-lo. Devemos enterrá-lo ― discordou Melquias.

― Então vá ajudar o estalajadeiro, enquanto cuidamos do colega do defunto. Não te preocupes, Tiago ficará bem. E tu, desgraçado, qual o teu nome? Quantos comparsas tinhas e a quem terias que matar?

― Meu nome é Caio. Éramos apenas três, para não despertar suspeitas. Se não estancardes meu ferimento, certamente morrerei.

― Fala rápido, e poderás viver. Do contrário, morrerás de qualquer forma.

― Fomos contratados para matar-vos e recuperar documentos roubados por traidores da legião. Devíamos impedir que vós entregásseis os documentos aos bárbaros além da fronteira. Escalaram os melhores espiões da legião de Antioquia para matar-vos, traidores.

Em silêncio, Marco arrancou uma tira de tecido à cortina e amarrou-a sobre o ferimento de Caio. Enquanto isso, Tiago continuava a vomitar no quarto, amparado pelos seus companheiros.

― Não acredito que fui cortado por um maldito moleque bêbado.

Tiago voltou-se para ele e respondeu:

― Tiveste sorte, pois eu mirei nas tuas costas. Se não te calares, não errarei uma segunda vez.

Disse, e baixou a cabeça para derramar a última bile.

[1] Divindades persas. O fato de constarem na narrativa sem condenações pejorativas demonstra uma certa tolerância religiosa incomum entre os judeus zelotes daquele período.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s