Quixotícias – o boletim Quixotada sobre o mercado editorial

Logo created by DesignEvo logo maker
Anúncios

A Importância da Leitura de uma perspectiva científica

A leitura influencia a inteligência? Veja no dossiê Quixotada sobre a importância da leitura.
Um estudo publicado por Gregory S. Berns, Kristina Blaine, Michael J. Prietula, and Brandon E. Pye (Short- and Long-Term Effects of a Novel on Connectivity in the Brain) demonstra que a leitura de ficção altera as sinapses cerebrais. Na ocasião, um grupo de teste com 21 integrantes foi submetido a ressonâncias magnéticas durante dezenove dias. Passaram cinco dias de “limpeza”, sem leitura. Em seguida, durante nove dias, leram uma nona parte do romance Pompéia, de Robert Harris por dia, no período da noite, sendo feita a ressonância depois do descanso noturno, pela manhã. Finalizado o romance, seguiram-se cinco dias de “desintoxicação”, também sendo realizadas ressonâncias magnéticas. Nos dias pós-leitura um aumento significativo de conexões cerebrais foi identificado, especialmente nos lóbulo angular-supramarginal esquerdo e no lóbulo temporal direito posterior, que decaiu com o passar do tempo, enquanto uma conectividade no córtex somatossensório bilateral durou mais tempo. Ou seja, a leitura também afeta partes do cérebro responsáveis pela resposta muscular e pelas emoções. Seu corpo sente a leitura.
Decodificar as palavras e convertê-las em sons mentais ativa várias áreas do neo-córtex. Os córtex occipital e temporal se ativam para reconhecer o valor semântico. O córtex motor frontal trabalha quando evocamos sons mentalmente. O hipocampo e o lóbulo temporal medial são ativados quando lembramos de algo que ajuda a interpretar o que lemos. Pensar sobre o que se lê aciona o córtex pré-frontal.
Familiaridade com ficção literária (alta literatura) está mais associada ao incremento da inteligência que a leitura de literatura de gênero (ficção científica, terror, romance…), de acordo com os psicólogos David Comer Kidd e Emanuele Castano. Voluntários foram instados a ler uma lista de 130 nomes, 65 dos quais pertenciam a autores de vários gêneros, separando aqueles que eles reconheciam. Os pesquisadores fizeram uma escala de afinidade em relação aos diversos gêneros de acordo com os números de acertos. Em seguida, os voluntários foram submetidos a um teste de inteligência emocional, e os melhores resultados foram daqueles que mais acertaram nomes de autores de ficção literária. Conclusão: ler literatura ajuda a “ler” pessoas.
Em estudo anterior, de 2013, os pesquisadores já haviam concluído que ficção literária deixa muito da interpretação para a imaginação, incentivando os leitores a fazer inferências sobre os personagens e ser mais sensíveis às nuances emocionais e à complexidade. Na ocasião, selecionaram pessoas cadastradas na Amazon entre 18 e 75 anos. Em um dos experimentos, os voluntários liam diferentes tipos de texto (ficção literária, ficção de gênero, não ficção) ou não liam nada. Depois eram incentivados a dizer qual a emoção que 36 imagens de olhos passavam. Quem leu ficção literária por alguns minutos conseguiu mais acertos, enquanto pessoas que leram ficção de gênero tiveram acertos similares a quem não leu nada.

Links para as pesquisas mencionadas e outros textos: http://www.thecut.com/2016/08/to-improve-your-social-skills-read-better-books.html
(para aumentar suas habilidades sociais, leia livros melhores)
http://www.inc.com/jessica-stillman/reading-fiction-really-will-make-you-nicer-more-empathetic-new-study-says.html (ler ficção realmente fará de você alguém melhor e mais empático, diz novo estudo)
well.blogs.nytimes.com/2013/10/03/i-know-how-youre-feeling-i-read-chekhov/?_r=0 (sei o que você sente: leio Chekov)
http://www.psychologytoday.com/intl/blog/the-athletes-way/201401/reading-fiction-improves-brain-connectivity-and-function (ler ficção melhora funções e sinapses cerebrais)
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3868356/
bookriot.com/2018/02/27/does-reading-make-you-smarter/ (ler torna você mais esperto?)